Parto Normal ou Cesariana?

Para comemorar o dia das amigas gestantes, 15/08, vou reprisar um texto que escrevi ano passado para o blog Vida de Mãe da Nestlé.
Nele conto um pouco de como foram os meus dois partos. Acompanhe e deixe seu comentário.

Parto Normal ou Cesariana?


Ser mãe sempre me encantou e despertou em mim muita curiosidade. Então depois de muito planejamento familiar, “nós” engravidamos! A alegria inundou nossa vida conjugal e junto com ela vieram algumas dúvidas e algumas certezas.

Desde o principio eu sabia que seria um menino, tinha certeza que queria parto normal e que cesárea não era coisa pra mim!

Fiz todo acompanhamento pré-natal bem como manda o figurino, segui todas as recomendações médicas, caminhei muito e me alimentei corretamente.

E ao escrever esse relato, me deparo com a pressa do tempo: cinco anos se passaram, mas me lembro de cada detalhe, principalmente dos conselhos da minha obstetra quando dizia que o bebê era grande e que o parto normal poderia não ser uma boa opção. Mas minhas convicções e medo de uma cirurgia me mantinham firme no propósito de dar a luz ao meu primogênito em parto normal.

Fui muito bem assistida durante minha gestação e nunca os comentários ou colocações dos profissionais que comigo mantiveram contato me foram impostas. Pelo contrário, eles sempre sanaram minhas dúvidas e me orientaram da melhor maneira possível.

Então o tempo passou e consulta após consulta, meu pequeno grande bebê se desenvolvia tranquilamente. Apenas com alguns cuidados especiais devido a uma pequena alteração no tamanho de um dos seus rins. Mas esse é assunto para uma nova postagem.

Na última semana de gestação, foram exatas 41 semanas, fui realizar mais uma consulta e a médica falou em tom de preocupação: - Mas que bebezão! Eu só apalpo bebê nesta barriga! E você não apresenta dilatação, contração ou dor alguma, isso pode ser motivo de agonia para você ou pra ele na hora do parto.

E dito isto, solicitou a última e conclusiva ecografia. Sai de um consultório e entrei em outro com uma velocidade ímpar, daquelas que só grávidas são capazes de alcançar!

Foi muito bom poder ouvir o som do seu coraçãozinho ainda dentro de mim pela última vez e saber que ele estava prontinho para nascer e se aninhar em meus braços, recebendo meus carinhos, afagos e sustento!

“Ele está aproximadamente com 4 kg e 70gr e uns 50 cm”, disse ela ao fazer as últimas medidas e pesagens. Com uma circunferência grande de crânio, tórax e fêmur e como você não apresenta sintoma algum de parto normal poderá até existir a hipótese de parto com fórceps.

Foi neste momento que o mundo parou por um milésimo (eterno) de segundo. Esperei por longos e intermináveis minutos na sala de espera o laudo para levar até a obstetra. Recebi e voltei correndo, na mesma velocidade anterior, para o outro consultório.

Porém, ao entrar pela porta eu já estava decidida: Farei uma cesárea! Não quero sofrimento para meu bebê, não quero ficar horas num corredor gemendo de dor e querendo bater em todos que se aproximarem de mim (essa foi a ideia que me passou pela cabeça naquele momento).

“Vamos fazer o parto amanhã cedinho?”, me disse a médica.

- Não! Eu preciso explicar ao meu filho que houve uma mudança de planos e sua chegada ao mundo não será da maneira como eu vinha lhe contando nos longos e relaxantes banhos que tomávamos. Ainda preciso de um tempinho com ele. Faremos a cesárea na segunda-feira pela manhã.

Eu optei por passar o meu primeiro dia das mães com meu filho ainda em meu ventre. Foi lindo! Acordei cedinho, tomei um longo banho e lhe expliquei como tudo iria acontecer.

Recebi a visita do anestesista em casa e fui novamente muito bem orientada sobre os procedimentos da manhã seguinte.

Aquela manhã de segunda-feira estava linda! Ensolarada e quentinha, representando com clareza o tal Veranico de Maio.

Estava tranquila e muito confiante nos profissionais que me assistiriam. Estive consciente todo tempo e pude ver meu filho aparecer para o mundo com tranquilidade de um amanhecer iluminado.

Escolhi a cesárea e agradeço eternamente por isso, pois Davi nasceu com 4kg 120g, 49cm e uma volta do cordão umbilical enrolado em seu pescocinho. Teve um teste de Apgar 9 e desenvolve-se muito bem dia após dia.

Acredito no amor e respeito à decisão de cada mulher, sei que atualmente acontecem muitos protestos defendendo partos humanizados e massacrando os partos cesáreos. Mas eu não me envolvo nessas discussões e tão pouco me sinto menos mulher ou menos mãe pela escolha que fiz. Tanto que dois anos e sete meses depois dei a luz novamente a uma linda menina em um novo parto cesáreo.

Parto normal, cesáreo, humanizado, com acompanhamento de médicos ou doulas, seja qual for e como for, para mim o que importa é que seja tranquilo, desejado e muito esperado.

Os meus foram assim e o seu/s?

Beijinhos e obrigado por sua companhia.
Dona Maricota

Comente pelo Blogger
Comente pelo Google+

2 comentários:

  1. Eu sempre quis o parto normal e graças a Deus não houve mudança de planos.
    Já vi uns videos de parto humanizado, não sei se teria coragem. rsrs
    Cesárea também não faria, acho que ia morrer de medo da anestesia. :/
    Só se fosse mesmo necessário.
    Bjão Cléo

    www.blogdajeu.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então Jeane, eu me preparei para o parto 'normal', mas não deu.
      Felizmente a cesárea foi ótima e tudo correu muito bem.

      beijinhos

      Excluir

Quer mais? Aqui tem!

Copyright © 2013 Dona Maricota Feliz - Layout Personalizado por Giselle Carvalho
Subir