A Princesa e a Ervilha - Hora do Conto em TV de Papelão com E.V.A.

Olá contadoras de história!

O mundo muda, a tecnologia avança, mas a magia das primeiras telinhas estará sempre viva no encantamento e na imaginação das crianças...

Fiz essa TV de papelão e forrei com E.V.A. para satisfazer a cliente que a encomendou, escolheu com botões para deixar mais bonitinha.
Dudinha escolheu a história A Princesa e a Ervilha de Maurício de Sousa, graciosamente ilustrada com os personagens Mônica e Cebolinha.

Princesa, Príncipe, Castelo, Histórias, Mônica, Mauricio de Sousa, Cebolinha, Girassol, Editora, Texto, Hora do Conto, Ervilha, TV de Papel, TV de Papelão, TV de EVA, rosa, editora, Mônica, Mauricio de Sousa
O Davi fez o último teste antes da entrega, #aprovada!

A   Princesa e a Ervilha

Num reino distante, havia um príncipe que queria muito se casar. Mas, para isso, sua noiva precisava ser uma pessoa da realeza, uma verdadeira princesa. 
A dúvida era: Como um príncipe iria descobrir uma princesa de verdade? 
Ele resolveu consultar sua mãe, a rainha. Um dia, enquanto os dois passeavam pelo lindo jardim do castelo, o príncipe perguntou: 
- Como saberei se minha escolhida é uma verdadeira princesa, se ela tem mesmo sangue real? 
- Filho, você saberá identificar as que não são verdadeiras. Se alguma mexer com seu coração, faremos testes para verificar se ela é realmente uma princesa – respondeu a rainha. 
O príncipe preparou sua bagagem real e viajou o mundo todo procurando a sua amada. Decidiu que se hospedaria no castelo de suas pretendentes para observá-las de perto e, assim, conheceria melhor os hábitos e valores das princesas. 
Chegando ao primeiro reino, foi recebido pelo rei e sua filha. A moça era muito bonita e delicada. 
Mas alguma coisa não convencia o príncipe da sua real condição. Ele a chamou para um passeio pelo reino, para conhecer mais do povo daquele lugar. 
Ao chegar na aldeia, ele percebeu a expressão de medo dos moradores na presença de um membro da família real. O povo era muito pobre e sofrido, e a princesa não se importava com isso. 
O príncipe soube na mesma hora: Uma verdadeira princesa jamais deixaria seu povo com medo e vivendo na pobreza. 
Então, decidiu partir para o segundo reino, que era famoso por ter muito luxo e pompa. Diziam que lá as pessoas era, saudáveis e felizes. 
- Acho que lá encontrarei uma verdadeira princesa, pois aquele reino de que tanto falam, com certeza, sabe tratar bem seus súditos, diferentes deste aqui. 
No jantar de boas-vindas, ele foi apresentado à princesa, que era bonita e elegante. Mas, na hora da refeição quando um dos empregados derrubou sem querer suco de uva e seu vestido, a moça mostrou seu verdadeiro caráter. Gritou e xingou o empregado, humilhando o rapaz na frente de todos. 
- Uma princesa sem educação e compaixão não é uma verdadeira princesa – concluiu o príncipe. 
E seguiu viagem para o próximo reino. 
O terceiro lugar também era maravilhoso. O vilarejo era próspero e feliz. O príncipe ficou esperançoso de conhecer ali sua futura esposa. 
A princesa era tão linda como a noite estrelada. Mas tinha uma tristeza no olhar. Quando os dois conversaram, o príncipe percebeu que a garota era insatisfeita, reclamava de tudo e de todos. 
Para ela, não existia felicidade. Assim, mais uma vez o príncipe partiu decepcionado. Afinal, uma pessoa que não se alegra com a vida não poderia ser uma princesa de verdade. 
E o príncipe continuou visitando muitos reinos, mas sempre descobria que as pretendentes não eram princesas de verdade. 
Assim, ele voltou para casa, mas não desistiu da ideia de encontrar sua companheira. 
Então, e uma noite de tempestade, bateram à porta de seu castelo. Quando abriram, viram uma jovem ensopada pela chuva, com o sapato todo descolado e os cabelos embaraçados. Ela pediu para dormir lá e afirmou ser uma verdadeira princesa. 
O rei, a rainha, o príncipe e os empregados olharam a moça com desconfiança, mas ofereceram de bom grado a hospitalidade. 
A moça tomou banho e vestiu uma roupa emprestada pela rainha. Quando entrou na sala de jantar, todos à olharam admirados: ela emanava beleza e formosura. 
- Os trajes caíram bem. Nossa hóspede parece uma princesa! – Comentou o príncipe. 
- Calma, meu filho! Lembre-se: beleza e elegância já nos enganaram antes. 
- Mas notem como esta moça come feito uma verdadeira princesa! – Exclamou o rei. 
Depois do jantar, o príncipe convidou a moça para conhecer o interior do castelo. Enquanto caminhavam, ela contou sobre sua aldeia, que conhecia e ajudava seus súditos e se preocupava com o bem estar de seu povo. 
Admirado com a bondade da moça, o príncipe chamou a rainha e disse que não tinha mais dúvidas: havia encontrado sua princesa. 
Mas a rainha faria ainda um último teste, para saber se a jovem era realmente uma princesa. 
A rainha, então, pediu para seus criados prepararem os aposentos para a nova hóspede. 
Ordenou que colocassem uma pequena ervilha sob o colchão e depois empilhassem vários colchões em cima dela. 
A princesinha estranhou a altura da cama, mas estava tão cansada que rapidamente caiu no sono. 
No dia seguinte, a rainha perguntou: 
- Dormiu bem, minha jovem? 
- Sou muito grata pela hospedagem, mas havia alguma coisa no colchão que machucou minha pele a noite inteira. Estou cheia de manchas rochas pelo corpo. 
A rainha, então, teve certeza de que ela era uma verdadeira princesa. Só alguém de sangue real teria uma pele tão delicada e sensível. 
O casamento foi realizado naquele mesmo dia, e foram sete dias e sete noites de festa. 
Por Maurício de Sousa. Ed. Maurício de Sousa - Clássicos para Sempre 
www.turmadamonica.com.br

Fim
Você já conhecia essa história?
Então fica esperta minha amiga, pois se acordar com dores nas costas, quem sabe você também é uma linda princesa 👸

Curte e Compartilha!
Beijinhos, Donamaricotafeliz

Encomendas: dmaricotafeliz@gmail.com ou (53) 999940993

Comente pelo Blogger
Comente pelo Google+

0 comentários:

Quer mais? Aqui tem!

Copyright © 2013 Dona Maricota Feliz - Layout Personalizado por Giselle Carvalho
Subir